O OLEIRO E O VASO

“Alegre-se por estar nas mãos do Oleiro e permita ser moldado com sua perfeição; arrependa-se dos seus maus caminhos; obedeça aos ensinos do Senhor; busque vontade de Deus e cumpra-a mesmo quando implicar em deixar o conforto”

 

Certa vez, enquanto pensava sobre o que falar a uma igreja que havia me convidado para pregar, veio-me à mente: “Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês nas minhas mãos, ó comunidade de Israel” (Is 18.6). Naquele momento, minhas lembranças reportaram à visita que fiz, quando criança, a uma olaria localizada em um povoado da minha cidade natal. Era um galpão aberto, com quatro colunas que davam sustentação a um telhado de madeira e telhas de barro. Um lugar bem rústico, cujo acesso era por um caminho estreito. Dentro da olaria, havia um homem, sentado em um banco de madeira, com os braços estendidos, amassando entre as mãos uma porção de argila que estava em cima de uma grande tábua que girava com o movimento dos seus pés.

 

Pouco a pouco, aquela argila tomava formas: ora um vaso longo e estreito; ora, baixo e largo. Vez por outra, ele amassava tudo, colocava um pouco de água e recomeçava a moldar a massa. Às vezes, o oleiro parava e retirava, com cuidado, pequenas pedrinhas da massa; então, molhava as mãos e, novamente, continuava seu trabalho até que um lindo vaso surgiu. Com um semblante de satisfação, aquele artesão, então, tirava a base de madeira e, utilizando-a como apoio, pôs o lindo vaso para secar. Em meio àquelas lembranças, perplexa, li o capítulo 18 do livro de Jeremias. O que aprendi com o texto?

 

1. Ouve a mensagem o que se dispõe a ouvir – “Vá à casa do oleiro, e ali você ouvirá a minha mensagem” (Jr 18.2).  Nem sempre estamos dispostos a ouvir, no sentido de guardar a Palavra de Deus e fazer o que nos propõe. Talvez porque, nesse sentido, ouvir implica, muitas vezes, sair do conforto, se dispor, se esforçar, abrir mão da própria vontade. Por isso, é comum o ouvir superficialmente que não gera compromisso nem implica em renúncia. Porém, insito na mensagem: decida ouvir intensamente a voz de Deus! “Então fui à casa do oleiro” (v.3). 

 

2. Deus trabalha para nos tornar melhores – “... e o vi trabalhando com a roda” (v. 3). Deus tem nossas vidas em suas mãos e está sempre pronto a nos moldar. Em todo tempo, suas mãos estão entregues ao trabalho. Ele é o perfeito oleiro que nunca se cansa! 

 

3. Deus põe-nos na roda quando precisamos de consertos, ajustes – “... ele o refez, moldando outro vaso de acordo com sua vontade” (v. 4). Somos seus filhos, filhos amados; quando necessário, o Senhor nos disciplina (Hb 12.6), “retira impurezas” – a fim de promover ajustes – e até nos põe “na prateleira”, para que o caráter de Cristo seja formado em nós.

 

4. As bênçãos são decorrentes de arrependimento e obediência – “... se a nação que eu adverti converter-se da sua perversidade, então eu me arrependerei e não trarei sobre ela desgraça ... E se noutra ocasião ... ela fizer o que eu reprovo e não me obedecer, então me arrependerei do bem que pretendia fazer em favor dela” (versos 7 a 9). Certo que Deus é soberano, mas Ele tem prazer em abençoar seus filhos, por isso, avisa com antecedência seus planos. Ele se revela a seu povo por meio da sua Palavra, dando-lhes oportunidade ao arrependimento e obediência para, assim, usufruírem da paz e de outros benefícios que só Ele pode dar.

 

 

Amado leitor, assim como Jeremias, disponha-se a ouvir e cumprir a Palavra de Deus; medite nela e abra seu coração à voz do Espírito Santo; alegre-se por estar nas mãos do Oleiro e permita ser moldado com sua perfeição; arrependa-se dos seus maus caminhos; obedeça aos ensinos do Senhor; busque vontade de Deus e cumpra-a mesmo quando implicar em deixar o conforto, pois “sua vontade é boa, agradável e perfeita” (Rm 12.2).

Abilene da Paz Barros Silva é Pastora da Igreja Congregacional Sião – São Luís – MA, graduada em Teologia e Pedagogia, e pós-graduada em Psicopedagogia e Psicanálise. É coordenadora nacional da Rede Tirzah Brasil. Contato: abipaz21@gmail.com, www.tirzahbrasil.com.br, fone: (98)981184526

Ligue:

43 - 99184 7577